11 2376 6400  /   viveri@viveri.com.br  /  11 4226 6400

Rua Ivaí, 1200 - Bairro Santa Maria - CEP: 09560-570

São Caetano do Sul/ SP  -  Brasil

ISO 9001:2015

 

Você sabe quais as principais mudanças da ISO 9001:2015?
A Vìveri te ajuda a entender.

 

As Normas que compõe a ISO 9000, dentre elas a ISO 9001:2015, são um grupo de normas técnicas que estabelecem um modelo de Gestão da Qualidade para empresas independente de seu porte e área de atuação.

A Norma ISO 9001, utilizada para implementação de Sistemas de Gestão da Qualidade, está sendo revisada pela ISO (International Organization for Standardization), e a publicação da sua nova versão, a ISO 9001:2015, está prevista para setembro de 2015.

Desde de 2011 a Norma ISO 9001 vem passando por um processo de votação e definição dos parâmetros e itens que constarão na versão a ser publicada. Alguns pontos já foram definidos e serão discutidos aqui de acordo com o DIS (Draft International Standard).

Mas antes, precisamos calibrar a linguagem, com algumas definições:

 

 O que é a ABNT NBR ISO 9001?

A ABNT NBR ISO 9001 é a versão brasileira da norma internacional ISO 9001 que estabelece requisitos para o Sistema de Gestão da Qualidade (SGQ) de uma organização, não significando, necessariamente, conformidade de produto às suas respectivas especificações.

A ABNT NBR ISO 9001 tem como objetivo prover confiança em termos de qualidade de produtos e serviços oferecidos por uma empresa com este tipo de certificação.

 

REVISÃO DA ISO 9001:2008

Desde a última revisão da ISO 9001 em 2008, o TC176 vem preparando a revisão das normas da família ISO 9000

Na  revisão da ISO 9001 foram considerados, entre outros, as seguintes inputs:

·         Estrutura de Alto Nível das novas normas de sistemas de gestão (HLS- High Level Structure)

·         Pesquisa mundial realizada em 2010 sobre as necessidades de usuários atuais e potenciais das normas de gestão da qualidade

·         Revisão dos Princípios de Gestão da Qualidade

·         Diretrizes estratégicas do TC176/SC2

·         Conceitos futuros de gestão

·         Lições aprendidas de projetos de revisões anteriores

·         Resultados do processo de interpretações da ISO 9001

 

Nota: ISO/TC 176 é o comitê técnico incumbido da função de aconselhamento de todos os comitês técnicos da ISO e IEC para garantir a integridade das normas de sistemas de qualidade genéricos e à aplicação efetiva da política do setor ISO / IEC em sistemas de prestações de gestão da qualidade.

 

 

Diferenças entre as versões ISO 9001:2015 e ISO 9001:2008 

As diferenças entre a ISO 9001: 2015 e a versão atual ISO 9001:2008 são:

 

 1. Avaliação dos riscos

Requisito explícito de pensamento baseado no risco para apoiar e melhorar a compreensão e aplicação da abordagem de processo.

  • Pensamento baseado em risco como base para o sistema de gestão (risk-based thinking): Ao invés de uma abordagem única para todos os requisitos da norma, ela desafia a organização a analisar seus riscos, a fim de planejar um sistema de gestão da qualidade adequado.

 

  • Visão mais ampla sobre a gestão de riscos e oportunidades através da determinação sistemática e monitoramento de seu contexto de negócios, e as necessidades e expectativas das partes interessadas. Proporcionando, desta maneira, melhor oportunidade para a melhoraria do sistema de gestão da qualidade e sua capacidade de alcançar os resultados pretendidos.

 

2. Responsabilidades da Alta Administração

  • Ênfase na liderança e comprometimento da alta administração para assumir a responsabilidade da eficácia do sistema de gestão da qualidade.
  • Mais foco nos objetivos como incentivo a melhorias,e planejamento relacionado necessário para alcançar os objetivos.
  • Maior envolvimento da alta direção.
  • Aumento dos requisitos de liderança

 

3. Recursos

Os requisitos relacionados com os recursos necessários estão agrupados e mais abrangentes.

 

4. Sobre a Organização

  • Novas cláusulas sobre o contexto da organização.
  • Nova cláusula sobre conhecimento organizacional
  • Melhor contextualização das cláusulas de projeto e desenvolvimento
  • Requisitos menos prescritivos e mais baseados resultados pretendidos
  • Melhor aplicabilidade para os serviços
  • Maior ênfase no contexto organizacional

  

5. Organização x clientes

  • Maior ênfase na geração de valor,para a organização e para seus clientes. A nova versão é voltada a geração de resultados e a melhoria dos mesmos.
  • Solicita que as organizações levem em consideração o feedback de todas as partes interessadas e de todos os processos envolvidos (não apenas os feedbacks dos seus clientes).
  • Maior ênfase na obtenção de resultados desejados para melhorar cliente satisfação.
  • O que não irá mudar  é que o CLIENTE continua a ser o foco principal da norma.

 

6. Controle de Processos

A norma dá maior ênfase para os controles de processos, produtos e serviços externos. Adequando-se a realidade existente sobre a complexidades dos processos terceirizados e cadeias fornecimento das as organizações.

 

7. Planejamento e Controle de Mudanças

  • Nova cláusula sobre planejamento de mudanças
  • Nova cláusula sobre controle de mudanças (foco em mudanças não planejadas)
  • Maior ênfase no planejamento e controle de mudanças, incluindo mudanças exigidas nos processos e mudanças necessárias no sistema de gestão.

 

8. Documentação

  • Requisitos para documentação simplificados.
  • Menos ênfase em documentos,
  • Maior flexibilidade nas exigências sobre procedimentos documentados (por exemplo, a adoção de um “manual de qualidade” não é mais obrigatória).

9. Estrutura da Norma

  • Nova estrutura da Norma é baseada na HLS (HLS – High Level Structure), tal como estabelecido no Anexo SL da ISO diretrizes Part One.
  • A estrutura da norma foi revisada para ficar alinhada com outras normas ISO de sistemas de gestão, facilitando a  sua integração. Texto idêntico para as normas de sistemas de gestão (MSS)
  • Maior facilidade na aplicação dos requisitos às empresas de “serviços”.
  • Principais termos e definições comuns de Sistemas de Gestão
  • Maior clareza para o usuário da norma
  • Organização das normas em dez seções:

1.      Escopo

2.     Referências normativas

3.     Termos e definições

4.     Contexto da organização

5.      Liderança

6.      Planejamento

7.      Apoio

8.      Operação

9.      Avaliação de desempenho

10.     Melhoria

 

O que não vai mudar na ISO:9001:2015

 O Essencial permanece no Draft International Standard (DIS) 9001

Output Matters”:

 

Na sua essência, a ISO 9001 permanece a mesma: manutenção do foco em “confiança na capacidade de a organização fornecer produtos e serviços conformes”, ao invés de na “capacidade da organização”

Escopo da ISO 9001:2015

A Norma especifica requisitos para o Sistema de Gestão da Qualidade quando uma organização:

a) precisa demonstrar sua habilidade para fornecer consistentemente produtos e serviços que atendam aos requisitos do cliente e aos requisitos estatutários e regulatórios aplicáveis, e

b) pretende aumentar a satisfação do cliente por meio da efetiva aplicação do sistema, incluindo processos para melhoria contínua do sistema e (para) a garantia de conformidade aos requisitos do cliente e aos requisitos estatutários e regulatórios aplicáveis.

 Novos itens da Norma ISO 9001:2015

 1ª – Nova Estrutura baseada no HLS (high level structure)

 

   4 Contexto da organização

4.1 Entendendo a organização e seu contexto (novo)

4.2 Entendendo as necessidades e expectativas das partes interessadas (novo)

4.3 Determinando o escopo do sistema de gestão da qualidade (1.2, 4.2.2)

4.4 Sistema de gestão da qualidade e seus processos (4.1)

 

  5 Liderança

5.1 Liderança e comprometimento (5.1)

5.1.1 Liderança e comprometimento para o sistema de gestão da qualidade (5.1)

5.1.2 Foco no cliente (5.2)

5.2 Política da qualidade (5.3)

5.3 Papéis, responsabilidades e autoridades organizacionais (5.5.1, 5.5.2)

 

  6 Planejando para o sistema de gestão da qualidade

6.1 Ações para lidar com riscos e oportunidades (novo; ideia do 8.5.3, ampliada)

6.2 Objetivos da qualidade e planejamento para alcançá-los (5.4.1)

6.3 Planejamento de mudanças (novo; ideia do 5.4.2 ampliada)

 

   7 Suporte

7.1 Recursos (6)

7.1.1 Geral (6.1)

7.1.2 Pessoas (6.2.1)

7.1.3 Infraestrutura (6.3)

7.1.4 Ambiente para a operação dos processos (6.4)

7.1 5 Recursos de monitoramento e medição (7.6)

7.1.6 Conhecimento organizacional (novo)

7.2 Competência (6.2.2)

7.3 Conscientização (6.2.2)

7.4 Comunicação (5.5.3)

7.5 Informação documentada (4.2)

7.5.1 Geral (4.2.1)

7.5.2 Criação e atualização (4.2.3, 4.2.4)

7.5.3 Controle de informação documentada (4.2.3, 4.2.4)

 

  8 Operação

8.1 Planejamento e controle operacional (7.1)

8.2 Determinação dos requisitos para produtos e serviços (7.2)

8.2.1 Comunicação com o cliente (7.2.3)

8.2.2 Determinação dos requisitos relacionados aos produtos e serviços (7.2.1)

8.2.3 Análise crítica dos requisitos relacionados a produtos e serviços (7.2.2)

8.3 Projeto e desenvolvimento de produtos e serviços (7.3)

8.3.1 Geral (novo; contextualiza o conceito)

8.3.2 Planejamento de projeto e desenvolvimento (7.3.1)

8.3.3 Entradas de projeto e desenvolvimento (7.3.2)

8.3.4 Controles de projeto e desenvolvimento (7.3.4, 7.3.5, 7.3.6)

8.3.5 Saídas de projeto e desenvolvimento (7.3.3)

8.3.6 Mudanças de projeto e desenvolvimento (7.3.7)

8.4 Controle de produtos e serviços providos externamente (4.1, 7.4)

8.4.1 Geral (4.1, 7.4.1)

8.4.2 Tipo e extensão do controle de provisões externas (4.1, 7.4.3)

8.4.3 Informações para provedores externos (7.4.2)

8.5 Produção e provisão de serviços (7.5)

8.5.1 Controle de produção e provisão de serviços (7.5.1)

8.5.2 Identificação e rastreabilidade (7.5.3)

8.5.3 Propriedade pertencente a clientes e provedores externos (7.5.4)

8.5.4 Preservação (7.5.5)

8.5.5 Atividades posteriores à entrega (novo; 4.19 da ISO 9001:1994?)

8.5.6 Controle de mudanças (novo; foco nas mudanças não planejadas)

8.6 Liberação de produtos e serviços (8.2.4)

8.7 Controle de saídas de processos, produtos e serviços não conformes (8.3)

 

   9 Avaliação de desempenho

9.1 Monitoramento, medição, análise e avaliação (8.2, 8.4)

9.1.1 Geral (8.2.3, 8.2.4)

9.1.2 Satisfação do cliente (8.2.1)

9.1.3 Análise e avaliação (8.4)

9.2 Auditoria interna (8.2.2)

9.3 Análise crítica pela direção (5.6)

10 Melhoria

10.1 Geral (8.5.1)

10.2 Não conformidade e ação corretiva (8.5.2)

10.3 Melhoria contínua (8.5.1)

 

Transition Planning Guidance for ISO 9001:2015 –  Guia para a Transição ISO 9001:2015

NOTA: O International Accreditation Forum, Inc. (IAF) detalha os critérios para o credenciamento de organismos que prestam serviços de avaliação da conformidade, e tal credenciamento facilita o comércio e reduz exigências para várias atividades de avaliação da conformidade.

 

O Fórum Internacional de Acreditação (IAF), que monitora as certificações / acreditações e o Comitê de ISO de Avaliação da Conformidade (CASCO) acordaram um período de transição de três anos a partir da data de publicação da ISSO 9001: 2015. O período de transição terá início em setembro de 2015, terminará em Setembro 2018.

 

Validade das certificações ISO 9001: 2008

As certificações ISO 9001: 2008 não serão válidas após o final do set 2018.

A partir de março 2017 todas as certificações iniciais no âmbito de acreditação deve ser o de ISO 9001: 2015.

 

Orientação para a transição

Para qualquer organização o grau de mudança necessária será dependente da maturidade e eficácia do atual sistema de gestão da organização, estrutura e as práticas, portanto, uma avaliação de impacto é altamente recomendável a fim de se identificar recursos e sua implicações.

 

Orientação específica para os interessados ​​envolvidos na certificação e acreditação

Para as organizações que seguem a ISO 9001: 2008 são recomendados:

·         Identificar as falhas organizacionais que precisam ser abordadas para atender aos novos requisitos,

·         Desenvolver um plano de implementação;

·         Fornecer treinamento e conscientização adequada para todas as partes que têm um impacto sobre a eficácia da organização;

·         Sistema de atualização de gestão da qualidade existente (SGQ) para atender à revisão das necessidades e fornecer verificação da eficácia;

·         Avaliar a ligação do órgão de certificação para um regime de transição.

 

NOTA: Os usuários devem estar cientes de que pelo Draft International Standard (DIS) as alterações técnicas podem ainda ocorrer.

Recomenda-se que, até que a revisão final seja publicada (Final Draft International Standard -FDIS). A IAF (International Accreditation Forum) aceitou um plano de implantação esboço para garantir uma migração suave da Norma ISO 9001: 2008 para ISO 9001: 2015

 

Referências

  • http://www.iso.org/
  • Fundação Vanzolini – ENCONTRO COM CONSULTORES – ISO 9001:2015 – Perspectivas, Desafios e Oportunidades
  • www.iso.org/iso/standards_development/processes_and_procedures/iso_iec_directives_and_iso_supplement.htm
  • CB-25 – Comitê Brasileiro de Qualidade – ABNT NBR ISO 9001
  • International Accreditation Forum, Inc. – Issue X Transition planning guidance for ISO 9001:2015